SEBO ARILOQUE - LIVROS E HQ's

De um click e procure seu livro!

sábado, 22 de dezembro de 2012

1996: HQ “Preacher” apresenta personagem inspirado na morte de Kurt Cobain


Nos anos 90, inúmeros quadrinhos tomaram o mercado, com fôlego diferenciado. Trazendo principalmente por parte dos autores, novas formas de olhar e estética que saiam do arquétipo do herói (comum e responsável por anos a fio pelo sucesso e retorno), o momento apresentava uma profunda observação dos personagens enquanto indivíduos, providos não somente de virtudes (típico ideal apolíneo, que norteia a mente dos criadores, sobretudo dos Super-heróis tradicionais), mas de entendimento de que os seres são compostos também da violência, amoralidade e falta de ética. Assim, sem perder os efeitos da humanidade em sua plenitude boa e má, nomes como Garth Ennis, despontaram para o mundo. Juntamente com o desenhista Steve Dillon, Ennis criou a antológica série de quadrinhos chamada Preacher, publicada pelo selo Vertigo da DC Comics. Com uma história que envolve um pastor possuído por forças sobrenaturais, sua ex-namorada e um excêntrico vampiro irlandês que fogem da polícia, de assassinos seriais, de organizações secretas e de um pistoleiro que ressurgiu do século XIX, é absolutamente impossível esperar pelo convencional. No entanto, algo interessante durante a publicação da série foi à criação de pequenos eventos paralelos dentro da trama, sobretudo os que envolviam personagens que surgiram durante o processo. Um deles, relacionado diretamente com uma ocasião da época: a morte de Kurt Cobain, líder do Nirvana.

Publicado originalmente nos EUA em dezembro de 1996 (e no Brasil somente em 1999), um ano e meio após a morte de Cobain, com o insinuante título “The Story of you-know-who” (A história de você-sabe-quem), a edição especial de Preacher trazia a tona a origem de um personagem anti-herói que se chamava “Cara de Cu”, incidente em algumas passagens da série. O vilipendioso nome se dava por conta de um rosto absolutamente deformado cuja aparência remetia a titulação do anti-herói. Este é o jovem Root, apelidado também como “Fodinha”, que se masturba frequentemente e vive com a mãe alcoólatra e dependente de remédios, e o pai, um xerife violento, racista e também alcoólatra, que o espanca frequentemente por ele não ser “normal” como os colegas que jogam futebol e vão estudar em colégios de renome. Na escola, sofre bullying, principalmente por parte dos fortões que são reprimidos por seu pai, ao serem pegos usando coisas ilícitas pela cidade, além de ser tratado como idiota pelas garotas e pelos professores. Sobrou-lhe Pube, seu melhor e tosco amigo, com quem divide o consumo de drogas e é responsável por ter lhe apresentado o Nirvana. Com a notícia da morte de Kurt e após tomar uma surra dos fortões da escola, Pube convence Root a roubar o rifle do pai mais uma vez (já havia feito antes apenas para acabar com o cachorro do vizinho), a fim de que pudessem dar cabo das próprias vidas. Pube se suicida colocando a arma na boca e Root, diante da situação se vê obrigado a fazê-lo também. Sem sucesso, pois colocou a arma o queixo e não na boca, o resultado foi uma deformação total em seu rosto, conferindo-lhe uma aparência bizarra. Nestas condições, sua participação na saga criada por Garth Ennis estava mais do que garantida. Acredita-se que para a criação do personagem, o autor tenha se inspirado na famosa história de dois jovens norte-americanos que combinaram suicidar-se após ouvir a música “Better by you, better by me”, do Judas Priest, nos anos 80. O caso gerou grande repercussão exatamente pelo fato de um dos jovens ter sobrevivido e ficado deformado ao não conseguir seu objetivo. As famílias processaram a banda liderada por Rob Halford, que acabou inocentada ao final. Sinistro!

Para saber mais:

O caso Judas Priest:

Preacher:

Um comentário:

LICENCIADO

Licença Creative Commons
SONORO PANEGÍRICO de Adriano C. Tardoque é licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 Unported.
Permissions beyond the scope of this license may be available at http://www.facebook.com/adriano.tardoque.